Santana do Ipanema - quinta, 17 de agosto de 2017
  Literatura
Contos
Crônicas
Destaque Literário
Escritores
Espaço do Leitor
Histórias Engraçadas
Marcas do Passado
Não Tropeçe na Língua
Outras Peças Literárias
Poemas
Poesias
Reflexões
Versos e Prosas

  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Poesias
08/08/2017
Astuta solidão" - para a minha mãe
Adriano Nunes


Quantos de mim em mim
Ainda há, intactos?
Trilhas pra ser amante,
Repressões pra importante
Ser... Pra que apenas ser?
Mil batalhas pra nada?

Ah, intrigas tão íntimas
Que em meu sonhar deságuam!
Quanto de mim mais sou
Nesta solidão vasta?
Quando enfim direi basta?
Ah, minério de máscaras,

Esboços para a alma
Que em mim cedo forjava-se!
Por que me fiz palavra
Solta, na folha alva?
Por que me dei a rimas
Raras, à proeza e táticas

Das metáforas, asas
Que de mim se exilavam?
Que fresta já é esta
Que se abre no olhar
Para que tudo estar
Possa além da lágrima?

Ah, coração aéreo,
Por que assim tens levado o
Eco do amor a sério?
De mim que agora faço?
Com que medo te cerco?
Versos não te ameaçam?
 
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados