Santana do Ipanema - quarta, 20 de setembro de 2017
  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Sibele Arroxellas
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

31/07/2017
TAMBORIM
 



O samba está presente em minhas veias, a batida do tamborim, me faz relembrar histórias familiares, me leva ao passado, onde a primeira imagem que me vem pela frente é a do meu Tio Zuza , homem de estatura baixa , semblante sério , mas um eterno apaixonado por carnaval. Tio sempre presente na história de minha vida, gostava de carinho, prestativo, aparentemente muito sério, sempre calado, mas que se rendia aos meus carinhos. E foi com ele que aprendi o amor pelo carnaval, pelo samba, pela admiração a escolas de samba. Quando ouço a batida do tamborim, me reporto a antigos carnavais, onde desfilava em sua escola de samba, onde admirava seu poder de liderança, através de um simples apito e um tamborim, instrumento esse ritmado, determinante do início de todas outras batidas que o seguiam.
Ficava sempre a espera inicial do tamborim, que som maravilhoso e ritmado que ele escoava, ele transmitia a batida de um coração, iniciando de forma lenta, porém determinada e de repente era ele que determinava o ritmo a ser seguido. Instrumento muito pequeno diante aquele mundaréu de outros instrumentos, até maiores que ele, porém sem a força que ele possui. Samba para mim é como uma renovação, início de um processo determinante de alegria, de iniciação de festa e comunhão entre pessoas. Sempre ouvi falar que tamanho não é documento e meu Tio sempre me provou isso, com seu pequeno tamborim em punho, esse instrumento me confirmou essa ideia, porém me provou também que na vida sempre existi um líder, alguém que direcione nossas ações, que só após sua determinação ou direcionamento algo acontece.
Lembro até hoje daquele homem de estatura pequena, mas com um grande liderança, com seu tamborim em punho, era quem determinava a hora de se iniciar a festa. A última vez que ouvi seu som, foi na despedida de meu Tio Zuza, estávamos todos nos despedindo dele após sua partida e meu Tio Joãozinho, o retirou de uma sacola e no silêncio começou a toca-lo, fui pega de surpresa, mas dessa vez o som que saia do tamborim era de tristeza, compassado, que a cada toque machucava mais meu coração, foi saudoso. Foi triste. Foi despedida...Mas em 2017 fui a uma festa chamada de Reencontro e lá estavam várias pessoas, dentre elas meu primo Rossone , quando de repente ouvi um som bastante conhecido e quando dirigi meu olhar a ele, reconheci um instrumento em suas mãos e era ele, o antigo tamborim de meu Tio Zuza , me aproximei e me emocionei, ele estava com uma nova roupagem e me trouxe muitas recordações. O tamborim estava lá...mas seu dono, fisicamente não estava, mas tenho a certeza de que espiritualmente se fez presente, a direcionar aquele som compassado e único.

Saudades daquela batida...Saudades....









Últimas publicações
- TAMBORIM
- E dois anos se passaram...
- Tudo a tempo de Deus...
Colunistas
Antonio Machado
FASCÍCLOS QUE FASCINAM
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
TRAVESSURAS DE ZÉ MALTA
Fábio Campos
LERÊ, LERÊ, LERÊ, LERÊ...
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
ESPECIAL SEMANA SANTA - DOMINGO DE PÁSCOA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Fontes
POR QUE EU?… CAÇULA
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
DETALHES
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Desabrochando pra vida!
Paiva Netto
Desarmar os corações
Pe. José Neto de França
A IGREJA NÃO É CASA PARA PERFEITOS, MAS UM HOSPITAL PARA ENFERMOS
Pedro Cardoso Costa
ABRAÇO DE AFOGADOS
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
TAMBORIM

Últimas Atualizações
LERÊ, LERÊ, LERÊ, LERÊ...
FASCÍCLOS QUE FASCINAM
Desarmar os corações
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados