Santana do Ipanema - quarta, 20 de setembro de 2017
  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

20/11/2013
Coisa de pele! Imagine!
 
O 20 de novembro é uma data muito significativa. É uma data que revela o amor fraternal das pessoas. Neste período, muita gente fala sobre a igualdade entre negros, brancos, amarelos, azuis, vermelhos, rosas, verdes e tantas outras cores. Falam em direitos, falam em igualdade perante os olhos do Divino.
No entanto, não é bem assim que as coisas funcionam. Pois algumas piadinhas de péssimo gosto ainda são motivo de alegria para alguns idiotas. Como por exemplo:

- E ai negão, hoje é teu dia né?
- Nego quando não caga na entrada caga na saída!
- Nego só vai pra frente quando leva um tropeção!
- Nego só é gente quando tá no banheiro, alguém bate à porta e ele responde: tem gente!

Lembro-me de uma professora que disse em uma reunião:
- Queria arrumar uma boneca daquela bem preta!
De súbito veio a pergunta de outra professora:
- Oxe! Pra quê?
Então a professora responde:
- Minha filha disse que quando crescesse iria casar com um negro, pois acha linda a cor da pele! Eu quero pegar uma boneca dessa pra mostrar a ela assim de vez, pra ver se ela se assusta e esquece isso...
Ouve um silêncio sepulcral no recinto.

E assim a nossa sociedade demente vai passando para as outras gerações o débil pensamento de superioridade branca.
Também nas escolas as paredes ficam abarrotadas de cartazes com o tema. Peças de teatro mal explicadas e sem fundamentação alguma reforçam ainda mais o estereótipo de homem fraco, inferior e coisificado.
É bom lembrar que durante o processo de colonização do Brasil as mulheres negras – mesmo não sendo vistas como pessoas – eram constantemente estupradas.
Mas o processo de coisificação dos “afrodescendentes” continua forte em nossa sociedade. Mudaram a nomenclatura – é politicamente incorreto falar negro, agora é afrodescendente – mas, continua permitido denegrir, humilhar, ferir, torturar, matar, inferiorizar, pagar mal, etc.
Em pouco tempo, também será politicamente incorreto falar “branco”, logo, logo o politicamente correto será euro-descendente. E nessa idiotice, nessa forma aveludada de preconceito surgem soluções para compensar os séculos de escravidão e morte – se é que se pode compensar uma coisa dessa. Um dos exemplos claros é justamente o surgimento das cotas para negros nas universidades. Este é um atestado de que aqueles que detêm o poder acreditam e querem deixar claro que as cotas foram feitas para os negros porque eles são incapazes de ingressar na universidade por méritos próprios.
Carlos Alberto de Oliveira* mostrou-se totalmente contra as cotas. Indo de encontro inclusive a um dos grupos mais fortes no Brasil de luta pela igualdade racial.

Exercício nº 1

Imagine uma garota sendo perseguida por três homens bêbados a cavalo em uma estrada deserta de uma cidadezinha do interior na época da colonização. Ela corre, corre, corre, cai e esfola os joelhos, se levanta e continua correndo. Sua respiração ofegante lhe comprime os pulmões, e cada vez mais os pés descalços sangram por causa das pedras. Seus olhos vermelhos de tanto chorar, sua voz rouca pelos gritos de socorro – tudo em vão, pois ninguém ouve...
Mesmo correndo contra todas as possibilidades de escapar, ela não pode parar, pois sabe que se fizer isso será o seu fim. Ela continua correndo com medo de seus perseguidores, mas suas passadas pequenas não conseguem superar o galope dos cavalos. E ela cai! Os homens desmontam de seus cavalos, e numa fúria incontrolável começam a bater na garota! Eles começam a xingam dos piores nomes, cospem na sua cara, puxam seus cabelos com tamanha violência que por várias vezes as mãos arrancam tufos e tufos do seu couro cabeludo.
Ela chora e grita desesperada, mas parece que isso só aumenta a ferocidade dos agressores, que em dado momento mandam-lhe calar a boca ou seria pior. De repente eles começam a bater sua cabeça contra o chão de pedras.
De repente começam a morder seu rosto, braços, pernas, enfim, todo o seu corpo. Num determinado momento rasgam sua roupa e começam a estuprá-la uma, duas, três vezes...
E terminada a sessão de horrores eles vão embora como se nada tivesse acontecido.
Ela fica ali, caída, esmagada, machucada. Seu corpo coberto de urina e sêmen. Costelas fraturadas, braço quebrado, olhos roxos pelos murros que levou. Faltam-lhe no mínimo cinco dentes.

Exercício nº 2

Imagine a dor que está sentindo! Imagine a humilhação! Imagine o pavor! Imagine essa garota branca!


-------------
* Vide Lei Caó
Disponível em: http://ceaprj.org.br/seus-direitos/lei-771689-lei-cao/

Últimas publicações
- Fabulosa
- Coisa de pele! Imagine!
- (IN)FORMAÇÃO!?
Colunistas
Antonio Machado
FASCÍCLOS QUE FASCINAM
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
TRAVESSURAS DE ZÉ MALTA
Fábio Campos
LERÊ, LERÊ, LERÊ, LERÊ...
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
ESPECIAL SEMANA SANTA - DOMINGO DE PÁSCOA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Fontes
POR QUE EU?… CAÇULA
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
DETALHES
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Desabrochando pra vida!
Paiva Netto
Desarmar os corações
Pe. José Neto de França
A IGREJA NÃO É CASA PARA PERFEITOS, MAS UM HOSPITAL PARA ENFERMOS
Pedro Cardoso Costa
ABRAÇO DE AFOGADOS
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
TAMBORIM

Últimas Atualizações
LERÊ, LERÊ, LERÊ, LERÊ...
FASCÍCLOS QUE FASCINAM
Desarmar os corações
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados