Santana do Ipanema - domingo, 25 de fevereiro de 2018

  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

20/11/2013
Coisa de pele! Imagine!
 
O 20 de novembro é uma data muito significativa. É uma data que revela o amor fraternal das pessoas. Neste período, muita gente fala sobre a igualdade entre negros, brancos, amarelos, azuis, vermelhos, rosas, verdes e tantas outras cores. Falam em direitos, falam em igualdade perante os olhos do Divino.
No entanto, não é bem assim que as coisas funcionam. Pois algumas piadinhas de péssimo gosto ainda são motivo de alegria para alguns idiotas. Como por exemplo:

- E ai negão, hoje é teu dia né?
- Nego quando não caga na entrada caga na saída!
- Nego só vai pra frente quando leva um tropeção!
- Nego só é gente quando tá no banheiro, alguém bate à porta e ele responde: tem gente!

Lembro-me de uma professora que disse em uma reunião:
- Queria arrumar uma boneca daquela bem preta!
De súbito veio a pergunta de outra professora:
- Oxe! Pra quê?
Então a professora responde:
- Minha filha disse que quando crescesse iria casar com um negro, pois acha linda a cor da pele! Eu quero pegar uma boneca dessa pra mostrar a ela assim de vez, pra ver se ela se assusta e esquece isso...
Ouve um silêncio sepulcral no recinto.

E assim a nossa sociedade demente vai passando para as outras gerações o débil pensamento de superioridade branca.
Também nas escolas as paredes ficam abarrotadas de cartazes com o tema. Peças de teatro mal explicadas e sem fundamentação alguma reforçam ainda mais o estereótipo de homem fraco, inferior e coisificado.
É bom lembrar que durante o processo de colonização do Brasil as mulheres negras – mesmo não sendo vistas como pessoas – eram constantemente estupradas.
Mas o processo de coisificação dos “afrodescendentes” continua forte em nossa sociedade. Mudaram a nomenclatura – é politicamente incorreto falar negro, agora é afrodescendente – mas, continua permitido denegrir, humilhar, ferir, torturar, matar, inferiorizar, pagar mal, etc.
Em pouco tempo, também será politicamente incorreto falar “branco”, logo, logo o politicamente correto será euro-descendente. E nessa idiotice, nessa forma aveludada de preconceito surgem soluções para compensar os séculos de escravidão e morte – se é que se pode compensar uma coisa dessa. Um dos exemplos claros é justamente o surgimento das cotas para negros nas universidades. Este é um atestado de que aqueles que detêm o poder acreditam e querem deixar claro que as cotas foram feitas para os negros porque eles são incapazes de ingressar na universidade por méritos próprios.
Carlos Alberto de Oliveira* mostrou-se totalmente contra as cotas. Indo de encontro inclusive a um dos grupos mais fortes no Brasil de luta pela igualdade racial.

Exercício nº 1

Imagine uma garota sendo perseguida por três homens bêbados a cavalo em uma estrada deserta de uma cidadezinha do interior na época da colonização. Ela corre, corre, corre, cai e esfola os joelhos, se levanta e continua correndo. Sua respiração ofegante lhe comprime os pulmões, e cada vez mais os pés descalços sangram por causa das pedras. Seus olhos vermelhos de tanto chorar, sua voz rouca pelos gritos de socorro – tudo em vão, pois ninguém ouve...
Mesmo correndo contra todas as possibilidades de escapar, ela não pode parar, pois sabe que se fizer isso será o seu fim. Ela continua correndo com medo de seus perseguidores, mas suas passadas pequenas não conseguem superar o galope dos cavalos. E ela cai! Os homens desmontam de seus cavalos, e numa fúria incontrolável começam a bater na garota! Eles começam a xingam dos piores nomes, cospem na sua cara, puxam seus cabelos com tamanha violência que por várias vezes as mãos arrancam tufos e tufos do seu couro cabeludo.
Ela chora e grita desesperada, mas parece que isso só aumenta a ferocidade dos agressores, que em dado momento mandam-lhe calar a boca ou seria pior. De repente eles começam a bater sua cabeça contra o chão de pedras.
De repente começam a morder seu rosto, braços, pernas, enfim, todo o seu corpo. Num determinado momento rasgam sua roupa e começam a estuprá-la uma, duas, três vezes...
E terminada a sessão de horrores eles vão embora como se nada tivesse acontecido.
Ela fica ali, caída, esmagada, machucada. Seu corpo coberto de urina e sêmen. Costelas fraturadas, braço quebrado, olhos roxos pelos murros que levou. Faltam-lhe no mínimo cinco dentes.

Exercício nº 2

Imagine a dor que está sentindo! Imagine a humilhação! Imagine o pavor! Imagine essa garota branca!


-------------
* Vide Lei Caó
Disponível em: http://ceaprj.org.br/seus-direitos/lei-771689-lei-cao/

Últimas publicações
- Fabulosa
- Coisa de pele! Imagine!
- (IN)FORMAÇÃO!?
Colunistas
Antonio Machado
CENTENÁRIO DE CARTOLA
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
O LIVRO DO GUERREIRO
Fábio Campos
CINZA: COR OU ELEMENTO QUÍMICO?
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
TECLADISTA, PIANISTA E ORGANISTA - PARTE I - O PIANISTA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Fontes
NÔ PEDROSA
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
BRAÇOS DE MÃE
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Acione o limpador
Paiva Netto
Reflexão de Boa Vontade: Igualdade de gênero e erradicação da pobreza1
Pe. José Neto de França
VOCE SE CONSIDERA UMA PESSOA MEDROSA?
Pedro Cardoso Costa
ABRAÇO DE AFOGADOS
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
TAMBORIM

Últimas Atualizações
Reflexão de Boa Vontade: Igualdade de gênero e erradicação da pobreza1
CINZA: COR OU ELEMENTO QUÍMICO?
Reflexão de Boa Vontade: Oração, trabalho e Paz
 
© 2001/2018 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados