Santana do Ipanema - quinta, 23 de novembro de 2017

  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

31/01/2013
(IN)FORMAÇÃO!?
 
Percebe-se que cada vez mais a educação – não apenas a formal, aquela que se aprende nas academias, mas também aquela voltada aos anseios da moral e ética de ser e estar no mundo – torna-se a menina dos olhos da sociedade civil organizada, haja vista perceber-se que a mesma – a educação – é ponto preponderante à emancipação e promoção da pessoa humana. Promoção esta que viabiliza o crescimento de possibilidades e efetivações dos indivíduos à condição de pessoas que participam na e para a sociedade. Pois é a partir da educação que os indivíduos mudam suas realidades a realidade de suas comunidades.
É correto afirmar que o ato de educar é próprio do ser humano, mas que nem todo ser humano educa ou é educado... Quando se fala no ato educativo logo nos vem à mente a imagem da sala de aula e/ou do professor, pois durante muito tempo este foi o profissional responsável pela educação de crianças e jovens.
Hoje há uma discussão muito acentuada nos meios de fomento sobre o ser professor e ser educador. Mas, qual seria realmente o diferencial? Ou melhor, há um diferencial!?! Alguns estudiosos afirmam que o ponto de principal diferença entre ambos é justamente o que foi exposto acima “efetivação da pessoa humana”, pois enquanto o professor é tolhido e tolhe saberes e fazeres dos alunos, enquanto é toldado e tolda perspectivas e anseios de meninos e meninas nas carteiras escolares, o educador busca efetivá-los, sem que com isso se prostre ante os enleios da pífia arrogância consumista oriunda do fazer “peleguista” em prol do bem-estar-bem com o(a) chefe(a), pois o que lhe angustia é a impossibilidade de efetivação real dos seus APRENDENTES, e não se é visto ou não.
Vivenciamos a cultura e sociedade do conhecimento, este “movimento de promoção e educação” não era percebido como importante na retomada do processo de restauração da ética.
O processo de restauração da ética prescinde do contexto social ao qual o individuo convive e sobrevive. É o espaço onde habita e se relaciona com os outros indivíduos, e junto com estes faz o “convívio social”, este é o chamado “pano de fundo” para as manifestações culturais, estas por sua vez, são fulcrais à formação dos sujeitos e da própria sociedade.
Desta forma, é a partir desse processo – que a priori propicia ao homem a percepção da realidade, do mundo e do próprio homem – que o homem interpreta o mundo, os meios de produção e as outras pessoas, tornando-se extremamente importante que o homem moderno se perceba partícipe de tal construção, e, por conseguinte da sociedade.
Isso torna-se quase impossível, pois romper com o paradigma vigente da intolerância e ignorância é muito complicado. Haja vista entender-se que dentre as futilidades que consomem o homem moderno a que mais causa danos é a ignorância.
De acordo com o Dicionário Básico de Filosofia 1,
[...] Em um sentido genérico, a ignorância é a atitude daquele que, não sabendo utilizar as suas capacidades racionais, engana-se quanto à qualidade de seus conhecimentos, tomando por verdade o que não passa de uma opinião falsa ou incerta e expondo-se à *ilusão e ao erro.[...]
Notadamente, a ignorância tem na falta de informação sua maior expoente, pois principia-se justamente do desinteresse em se informar e formar. A ignorância permeia e fecunda as mentes pueris dos decrépitos e insalubres. São indivíduos desprovidos da capacidade de articular o pensar. São feridas falantes que ferem e impossibilitam falas.
Sem a informação nós estaríamos vivendo na idade média. Sem a possibilidade de externarmos uma ideia. Sem a oportunidade de sermos cidadãos. Sem o direito de ter direitos. Entenda-se informação como o meio plausível de inter-relação mediante a consecução de um direito adquirido ante a luta ancestral. Desta forma este direito não poderia ser cerceado.
A ignorância também pode ser caracterizada como a impossibilidade de se ter uma visão periférica do mundo, das pessoas, dos problemas e até das soluções. E esta impossibilidade só ocorre porque os muitos indivíduos ainda usam seus antolhos.

...........................

1 – MARCONDES, Danilo; JAPIASSÚ, Hilton. Dicionário Básico de Filosofia. Jorge Zahar Editora. Rio de Janeiro. 2006. (p. 142)


Últimas publicações
- Fabulosa
- Coisa de pele! Imagine!
- (IN)FORMAÇÃO!?
Colunistas
Antonio Machado
DO LIXO AO LUXO
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
COLEGA, GOZADOR, POLIGLOTA
Fábio Campos
QUEM É ESTA MULHER?
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
ESPECIAL SEMANA SANTA - DOMINGO DE PÁSCOA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Fontes
SERTÃO EM FLOR
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
DETALHES
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Desabrochando pra vida!
Paiva Netto
Doe sangue
Pe. José Neto de França
VOCE SE CONSIDERA UMA PESSOA MEDROSA?
Pedro Cardoso Costa
ABRAÇO DE AFOGADOS
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
TAMBORIM

Últimas Atualizações
Doe sangue
DO LIXO AO LUXO
Lincoln, o prego e o reino
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados