Santana do Ipanema - domingo, 25 de fevereiro de 2018

  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Pe. José Neto de França
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

28/10/2017
O HOMEM DIANTE DA MORTE
 
Uma das realidades que mais preocupa o homem em todas as etapas da história, desde a antiguidade, é a experiência da morte física. Esta realidade é compartilhada por todas as religiões, raças, culturas; independente se ele, o homem, acredita ou não em Deus. Se um dia ele entrou no mundo, um dia haverá de sair dele. Como enfrentar esta experiência?

Afirmar não temer a morte é mentir para si mesmo. O grau do temor será sempre inversamente proporcional a fé que o homem possua em Deus e, logicamente a certeza da vida eterna.

No dia-a-dia de sua vida o homem vai se envolvendo com os acontecimentos, procurando colocar em prática seus projetos, construindo seu “mundo” particular e geral... A sua volta, o tempo vai correndo à revelia de sua vontade e o espaço vai se modificando, expondo as marcas consequentes do agir humano, muitas vezes desumano.

Nesse “vai-vem” do homem e do mundo, morte e vida se entrelaçam, se abraçam. Lado a lado caminham... Aceite ou não essa realidade, ela, a morte, está ali, presente, imponente, persistente!

Na própria interatividade do homem com o meio, ele está vivendo e morrendo a todo instante. A cada opção que ele faz, renuncia outra. Cada opção assumida é como que uma vida; cada renúncia é como que uma “morte”, pois algo está sendo deixado para trás. Naturalmente que a morte física não é querida como uma opção, mas ela chega cedo ou tarde como parte do processo evolutivo do existir no tempo e no espaço.

Ao deixar de refletir sobre a experiência da morte física, o homem abre mão da “aceitação” desta como “companheira” nesta fase da vida; tende a apegar-se ao temporal, ser mais egoísta. O grau de desespero quando estiver literalmente diante dela, seja em relação a alguém ou a si mesmo será terrível, pois não consegue entender que o mundo e tudo que lhe diz respeito também é provisório, ou seja, passa. No caso da morte ter atingido alguém que ama terá uma monumental dificuldade de aceitar a nova fase sem a presença física dela. Começará a culpar ao mundo e a Deus pela suposta “tragédia”. Nega-se a verdade e dela se afasta, dificultando sua convivência na família, na sociedade. Fica exposto ao perigo de fechar-se em seu mundo, perdendo sua capacidade de sociabilidade, assumindo uma personalidade depressiva que, se não tratada pode levá-lo também à morte, ou simplesmente pode, passado o “choque”, afastar-se ainda mais de Deus, jogando nele a total culpa dos fatos.

Quando o homem aceita o fato de a morte andar emparelhada com a vida, e não nega uma reflexão sadia, começa a vê-la sem preconceito. Conserva em si apenas o medo natural. Nada de fobias. Igualmente ao que nega a morte, sofrerá quando esta “bater a sua porta”, entrar na sua casa. A diferença é que compreenderá. Sabe que a vida biológica tem seu ciclo. Sabe também que ela, a vida, não se acaba. A esperança da vida eterna lhe abre novas perspectivas para que se readapte à realidade atual. Sabe que o “amor é forte como a morte”(Ct 8,6), e ainda a supera, isto é, quem ama não se deixa abater pelos revezes que enfrenta, pois, o amor não morre jamais. Tem consciência do alcance das palavras de Jesus: quando disse: “Eu sou a ressurreição. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá. E quem vive e crê em mim jamais morrerá”, (Jo 11,25-26) Seu amor pelo outro nunca acabará, pois “sabe” (tem consciência através da Palavra de Deus e da fé) que o outro não morreu, se transformou, como ele também não morrerá, apenas se “transformará.” (1Cor 15,51-57)

Últimas publicações
- VOCE SE CONSIDERA UMA PESSOA MEDROSA?
- O HOMEM DIANTE DA MORTE
- SANTA MISSA NÃO É ENTRETENIMENTO
Colunistas
Antonio Machado
CENTENÁRIO DE CARTOLA
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
O LIVRO DO GUERREIRO
Fábio Campos
CINZA: COR OU ELEMENTO QUÍMICO?
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
TECLADISTA, PIANISTA E ORGANISTA - PARTE I - O PIANISTA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Fontes
NÔ PEDROSA
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
BRAÇOS DE MÃE
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Acione o limpador
Paiva Netto
Reflexão de Boa Vontade: Igualdade de gênero e erradicação da pobreza1
Pe. José Neto de França
VOCE SE CONSIDERA UMA PESSOA MEDROSA?
Pedro Cardoso Costa
ABRAÇO DE AFOGADOS
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
TAMBORIM

Últimas Atualizações
Reflexão de Boa Vontade: Igualdade de gênero e erradicação da pobreza1
CINZA: COR OU ELEMENTO QUÍMICO?
Reflexão de Boa Vontade: Oração, trabalho e Paz
 
© 2001/2018 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados