Santana do Ipanema - quarta, 22 de novembro de 2017

  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Pe. José Neto de França
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

28/10/2017
O HOMEM DIANTE DA MORTE
 
Uma das realidades que mais preocupa o homem em todas as etapas da história, desde a antiguidade, é a experiência da morte física. Esta realidade é compartilhada por todas as religiões, raças, culturas; independente se ele, o homem, acredita ou não em Deus. Se um dia ele entrou no mundo, um dia haverá de sair dele. Como enfrentar esta experiência?

Afirmar não temer a morte é mentir para si mesmo. O grau do temor será sempre inversamente proporcional a fé que o homem possua em Deus e, logicamente a certeza da vida eterna.

No dia-a-dia de sua vida o homem vai se envolvendo com os acontecimentos, procurando colocar em prática seus projetos, construindo seu “mundo” particular e geral... A sua volta, o tempo vai correndo à revelia de sua vontade e o espaço vai se modificando, expondo as marcas consequentes do agir humano, muitas vezes desumano.

Nesse “vai-vem” do homem e do mundo, morte e vida se entrelaçam, se abraçam. Lado a lado caminham... Aceite ou não essa realidade, ela, a morte, está ali, presente, imponente, persistente!

Na própria interatividade do homem com o meio, ele está vivendo e morrendo a todo instante. A cada opção que ele faz, renuncia outra. Cada opção assumida é como que uma vida; cada renúncia é como que uma “morte”, pois algo está sendo deixado para trás. Naturalmente que a morte física não é querida como uma opção, mas ela chega cedo ou tarde como parte do processo evolutivo do existir no tempo e no espaço.

Ao deixar de refletir sobre a experiência da morte física, o homem abre mão da “aceitação” desta como “companheira” nesta fase da vida; tende a apegar-se ao temporal, ser mais egoísta. O grau de desespero quando estiver literalmente diante dela, seja em relação a alguém ou a si mesmo será terrível, pois não consegue entender que o mundo e tudo que lhe diz respeito também é provisório, ou seja, passa. No caso da morte ter atingido alguém que ama terá uma monumental dificuldade de aceitar a nova fase sem a presença física dela. Começará a culpar ao mundo e a Deus pela suposta “tragédia”. Nega-se a verdade e dela se afasta, dificultando sua convivência na família, na sociedade. Fica exposto ao perigo de fechar-se em seu mundo, perdendo sua capacidade de sociabilidade, assumindo uma personalidade depressiva que, se não tratada pode levá-lo também à morte, ou simplesmente pode, passado o “choque”, afastar-se ainda mais de Deus, jogando nele a total culpa dos fatos.

Quando o homem aceita o fato de a morte andar emparelhada com a vida, e não nega uma reflexão sadia, começa a vê-la sem preconceito. Conserva em si apenas o medo natural. Nada de fobias. Igualmente ao que nega a morte, sofrerá quando esta “bater a sua porta”, entrar na sua casa. A diferença é que compreenderá. Sabe que a vida biológica tem seu ciclo. Sabe também que ela, a vida, não se acaba. A esperança da vida eterna lhe abre novas perspectivas para que se readapte à realidade atual. Sabe que o “amor é forte como a morte”(Ct 8,6), e ainda a supera, isto é, quem ama não se deixa abater pelos revezes que enfrenta, pois, o amor não morre jamais. Tem consciência do alcance das palavras de Jesus: quando disse: “Eu sou a ressurreição. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá. E quem vive e crê em mim jamais morrerá”, (Jo 11,25-26) Seu amor pelo outro nunca acabará, pois “sabe” (tem consciência através da Palavra de Deus e da fé) que o outro não morreu, se transformou, como ele também não morrerá, apenas se “transformará.” (1Cor 15,51-57)

Últimas publicações
- VOCE SE CONSIDERA UMA PESSOA MEDROSA?
- O HOMEM DIANTE DA MORTE
- SANTA MISSA NÃO É ENTRETENIMENTO
Colunistas
Antonio Machado
DO LIXO AO LUXO
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
COLEGA, GOZADOR, POLIGLOTA
Fábio Campos
QUEM É ESTA MULHER?
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
ESPECIAL SEMANA SANTA - DOMINGO DE PÁSCOA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Fontes
SERTÃO EM FLOR
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
DETALHES
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Desabrochando pra vida!
Paiva Netto
Doe sangue
Pe. José Neto de França
VOCE SE CONSIDERA UMA PESSOA MEDROSA?
Pedro Cardoso Costa
ABRAÇO DE AFOGADOS
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
TAMBORIM

Últimas Atualizações
Doe sangue
DO LIXO AO LUXO
Lincoln, o prego e o reino
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados