Santana do Ipanema - sexta, 22 de setembro de 2017
  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Marta Alves Lemos
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

30/08/2017
Desabrochando pra vida!
 
Caminhar ouvindo Djavan, eis um prazer que descobri há pouco tempo. O leitor não imagina o quanto umas voltas matinais, sem compromisso, ao som de uma boa música pode fazer por uma pessoa. Talvez a música não lhe agrade, então pode fazer outra escolha, uma que mexa com seus sentidos, que aguce sua sensibilidade.
Por falar em sensibilidade, acho que esse foi um dos efeitos benéficos que a caminhada me trouxe. Assim, numa manhã eu compunha uma poesia, filosofava, noutra, esboçava mentalmente uma crônica enquanto fazia autoanálise e observava o mundo a minha volta. E foi num desses instantes de contemplação da natureza, ou melhor, do caos em que se torna tudo que o homem toca, que vi uma sobrevivente, uma flor silvestre em meio a um amontoado de restos de construção e principalmente areia, uma linda flor amarela. Não resisti e subi nos entulhos para registrar aquela sobrevivente, porque me enxerguei nela.
Eu, sobrevivente de um relacionamento caótico, entulhado de dores constantes, de falta de companheirismo e excesso de solidão, tal qual aquela flor perdida na areia, eu, que apesar de tudo, estava ali, caminhando, desfrutando da minha boa companhia, me deliciando com uma música, apreciando a vida na sua simplicidade, conseguindo sentir as possibilidades além da dor, da tristeza que me corroía a cada dia.
Aquela flor tão simples, tão humilde, não apenas sobrevivia, mas vivia em sua plenitude de cor e beleza, a despeito do caos a sua volta. Superou as barreiras de um solo arenoso, de um lugar insalubre pro seu crescimento e desabrochou pra vida, aprendi muito com aquela flor a olhar a vida em suas possibilidades, a superar os obstáculos a ir além do sobreviver.


Últimas publicações
- Desabrochando pra vida!
- CAÇANDO BORBOLETAS
- Três amores
Colunistas
Antonio Machado
FASCÍCLOS QUE FASCINAM
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
TRAVESSURAS DE ZÉ MALTA
Fábio Campos
LERÊ, LERÊ, LERÊ, LERÊ...
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
ESPECIAL SEMANA SANTA - DOMINGO DE PÁSCOA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Fontes
SERTÃO EM FLOR
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
DETALHES
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Desabrochando pra vida!
Paiva Netto
Vá sem pressa, faça uma prece!
Pe. José Neto de França
A IGREJA NÃO É CASA PARA PERFEITOS, MAS UM HOSPITAL PARA ENFERMOS
Pedro Cardoso Costa
ABRAÇO DE AFOGADOS
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
TAMBORIM

Últimas Atualizações
Vá sem pressa, faça uma prece!
SERTÃO EM FLOR
LERÊ, LERÊ, LERÊ, LERÊ...
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados