Santana do Ipanema - segunda, 23 de outubro de 2017

  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Manoel Augusto
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

07/06/2012
O Burrinho de Vovô...!!!
 

LEMBRANÇAS DA ADOLESCÊNCIA
O BURRINHO DE VOVÔ... !!!
Para alguns dos quase 60 netos do “Seu João Agostinho” essa expressão é bem familiar, principalmente para aqueles que estão acima dos 50 “years old”... As peripécias do “burrinho de vovô” eram motivos de brincadeiras e galhofas dos então “netinhos” nos anos 50 e 60. Naqueles anos e também nas décadas anteriores que datam dos primórdios da nossa cidade, como de resto de todas as povoações surgidas nos sertões, eram comuns as casas serem construídas nos limites das calçadas, deixando um quintal mais amplo possível para servir do que hoje chamamos de garagem. Na época, alojamentos de cavalos e burros, que eram os transportes usuais.
Em Santana do Ipanema essa prática era mais do que um princípio, era a regra. Quase todos os chefes de família moradores da “rua” ou seja da cidade tinham seus sítios ou fazendas, de onde tiravam seus respectivos sustentos, e cumpriam uma rotina quase infalível: passavam a semana na “propriedade” e no sábado vinham “pra rua” fazer a feira, ir à missa no domingo e dar assistência à família. Os filhos freqüentavam as escolas, naqueles anos, muito raras, a princípio o Grupo Escolar Pe. Francisco Correia e Ginásio Santana, depois o Grupo Escolar Ormindo Barros, Colégio Estadual “ainda” Deraldo Campos e as escolas particulares de D. Naraí, da Professora Adelcina Limeira e de D. Helena Braga, entre outras menos conhecidas.
Essa rotina era cumprida também pelos familiares do seu João Agostinho. Uns já moravam na “rua” e não dependiam da labuta na fazenda, outros permaneciam na “rua” enquanto estudavam. Nesse caso me incluo e por sermos em 10 irmãos tínhamos um muro bastante amplo para hospedar as nossas montarias: cavalos, burros e jumentos – até vacas mantínhamos para tirar o leitinho quente na cuia todas as manhãs que saboreávamos com cuscuz feito de milho ralado ou moído... essa uma atividade disputada pela molecada.
Mas voltemos ao burrinho, na verdade nem tão burrinho, era um burrão cinza quase branco e muito esperto. Só o vovô montava no burrinho, quando um estranho se aproximava ele “musgava” as orelhas feito jumento na presença de égua e ficava a olhar de banda ameaçando com um coice, parecia piscar o olho, como se dissesse: “Sou burro de sela eu sei, mas não abusa da condição, nesse lombo que você vê só quem monta é seu João”!!!
Quando o “tio Tonho” não estava cabia a um dos netos ir ao cercado da casinha (em frente a cadeia) pegar o burrinho, normalmente nas segundas feiras de madrugadinha para que o vovô regressasse a Fazenda Felicidade, próxima a Várzea de D. Joana, distante 6 léguas de Santana, era uma tirada boa, só o burrinho agüentava a pisada todas as semanas. Pra pegar o burrinho no cercado só com agrado de uma cuia de milho e assim mesmo em clima de desconfiança. Algumas vezes o burrinho corria o cercado todo e ainda relinchava (ou zurrava) como se “mangando” do pegador, imitando o jumento da canção de Luiz Gonzaga: Você comeu meu mio? E o jumento: Comi, comi, comi...
Nota:
Seu João nos deixou aos 102 anos de idade. Cavalgou até os 85 anos, um exemplo de vida para nós, netos e não netos...
maas



Últimas publicações
- Jogos de azar !!!???
- SANTANA DOP IPANEMA, A CIDADE DAS 7 COLINAS!...
- Diário de um Caipira - Paris
Colunistas
Antonio Machado
OS LIMERIQUES DAS ALAGOAS
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
PORTUGAL E SANTIAGO DE COMPOSTELA
Fábio Campos
O DITO, PELO NÃO DITO
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
ESPECIAL SEMANA SANTA - DOMINGO DE PÁSCOA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Fontes
SERTÃO EM FLOR
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
DETALHES
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Desabrochando pra vida!
Paiva Netto
Saúde mental e Espiritualidade
Pe. José Neto de França
TIROTEIO NO COLÉGIO GOYASES: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA?
Pedro Cardoso Costa
ABRAÇO DE AFOGADOS
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
TAMBORIM

Últimas Atualizações
Saúde mental e Espiritualidade
TIROTEIO NO COLÉGIO GOYASES: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA?
O DITO, PELO NÃO DITO
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados