Santana do Ipanema - quarta, 20 de setembro de 2017
  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Maria Lúcia Nobre dos Santos
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

10/08/2012
Perdão para quem se arrepende dos pecados
 
Perdão para quem se arrepende dos pecados Lúcia Nobre

Na cultura do povo cristão acredita-se que, quem transgride a lei de Deus pagará por isso, será castigado. E quem se arrepende dos seus erros será perdoado. Dizem até, que através do mal, pode-se chegar ao bem. A história de Maria Mutema foi assim. Matou o marido e andava vestida de preto, sem nenhum sorriso, mulher seca de corpo e de alma, sem nenhum atrativo. Parece que seu mal maior foi tentar conquistar o padre Ponte. Dizia ao padre que matou o marido porque estava apaixonada por ele, o padre. O padre Ponte, um sacerdote bom homem, de meia idade, meio gordo, muito descansado e estimado por todos. Tinha três filhos com a mulher que governava sua casa. As pessoas a chamavam de Maria do Padre. O padre Ponte era um vigário de mão cheia, cumpridor e caridoso, pregando com muita virtude seu sermão e atendendo em qualquer hora do dia ou da noite, para levar aos roceiros o conforto da santa hóstia do Senhor ou dos santos óleos.
Bem, Maria Mutema desejava destruir a harmonia que havia entre o padre Ponte, a igreja, a comunidade e a família do padre Ponte. A mulher e os três filhos. De três em três dias Maria Mutema chegava à igreja e se confessava com o padre Ponte. Ninguém imaginava qual a verdadeira intenção da mulher. Só o padre sofria com o que ouvia de Maria Mutema. Desviá-lo de sua vida pacata e serena, do bom convívio com sua igreja e sua família. Ninguém poderia desconfiar. Chegava e saía de olhos baixos, com tanta humildade, parecia uma santa padecedora. No início, o padre tentou desviá-la daquele intento. Depois adoeceu de tanto desgosto. Via na mulher, uma perversa, mas não podia negar uma confissão, confissão não se nega. Com o passar do tempo, o padre adoeceu para morrer. Emagreceu, amofinou, sofria grandes dores. Morreu triste. Maria Mutema nunca mais voltou à igreja.
Tempos passaram e aconteceu à Santa Missão. Chegaram missionários. Dois padres estrangeiros. A igreja encontrava-se lotada dos devotos cristãos. Na última noite das novenas, todos manifestando sua fé e devoção, de repente, entra Maria Mutema. Todos se assustaram. O que aquela mulher que matara o marido e o padre Ponte, este de desgosto, queria ali, naquele lugar sagrado? Maria Mutema, sozinha, em pé, torta, magra, de preto, deu um gemido de lágrimas e exclamação. Pediu perdão! Perdão forte, perdão de fogo, que da dura bondade de Deus baixasse nela, em dores de urgência, antes de qualquer hora de nossa morte. A mulher pediu perdão pelos crimes cometidos. Implorava o perdão de Deus. E o missionário, no púlpito, entoou grande Bendito, louvado seja!
Maria Mutema redimiu-se de seus crimes por meio da confissão pública. A pecadora admite sua culpa e é perdoada. Trata-se de uma simples admissão de culpa, em que o mais fraco coloca-se perante o mais forte numa clara relação de subordinação. Vejamos os versos de Gregório de Matos:

Eu sou, Senhor; a ovelha desgarrada.
Cobrai-a, e não queirais,
Pastor Divino, perder na vossa ovelha a vossa glória.



Texto adaptado da história contada por Riobaldo de Gra


Últimas publicações
- RIO BALDO
- Perdão para quem se arrepende dos pecados
- No princípio era o Verbo
Colunistas
Antonio Machado
FASCÍCLOS QUE FASCINAM
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
TRAVESSURAS DE ZÉ MALTA
Fábio Campos
LERÊ, LERÊ, LERÊ, LERÊ...
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
ESPECIAL SEMANA SANTA - DOMINGO DE PÁSCOA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Fontes
POR QUE EU?… CAÇULA
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
DETALHES
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Desabrochando pra vida!
Paiva Netto
Desarmar os corações
Pe. José Neto de França
A IGREJA NÃO É CASA PARA PERFEITOS, MAS UM HOSPITAL PARA ENFERMOS
Pedro Cardoso Costa
ABRAÇO DE AFOGADOS
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
TAMBORIM

Últimas Atualizações
LERÊ, LERÊ, LERÊ, LERÊ...
FASCÍCLOS QUE FASCINAM
Desarmar os corações
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados