Santana do Ipanema - domingo, 30 de abril de 2017
  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
José Malta Neto
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

13/06/2015
AURA DO JUAZEIRO DO NORTE – TERRA DO PADRE CÍCERO
 
Já ouvi muitas histórias do Juazeiro do Norte, a terra do Padre Cícero Romão Batista, mas nunca havia sentido a aura daquela terra.

O meu avô Alfredo Rodrigues de Melo, Alfredo Labareda, fundador do município de Carneiros, terra em que vivi os meus primeiros anos de vida, ancião respeitado pela sua dureza terminou os seus dias, na sua última existência, na condição de evangélico, mas um fervoroso adepto e admirador dos milagres do fundador do Juazeiro. Não cabe aqui contar o porquê, pois a história é longa, mas quem sabe um dia contarei.

No período de 04 a 06 de junho de 2015, tive a oportunidade de visitar a terra do Padre Cícero, na companhia do Dr. José Arrais Onofre. Visita esta a trabalho, mas nela pude vivenciar diversas experiências que enriqueceram a minha vida. Uma, em especial, tratarei nesse texto.

Quando resolvi a nossa viagem ao Juazeiro, e sabendo que um amigo devoto do Padre Cícero passava por certos problemas, comuniquei a ele que faria essa viagem e o mesmo pediu que um dia antes o encontrasse para que levasse um bilhete ao “Padim Ciço”, com o que prontamente concordei e ele ainda fez um pedido: já que era analfabeto, que fosse ao seu local de trabalho para que redigisse o tal bilhete.

Mas, por ironia do destino, esqueci da promessa e só lembrei do amigo quando estava na Igreja de Nossa Senhora do Socorro, onde está sepultado o corpo do Padre Cícero. Pedi licença ao meu companheiro de viagem e sai até um lugar que pudesse me comunicar com o amigo que deixei em Santana do Ipanema. Fiz uma ligação telefônica e no diálogo perguntei se ele sabia onde eu estava e ele prontamente respondeu: - E você, está no Juazeiro do “Padim Ciço” e esqueceu de mim. Eu, prontamente, disse-lhes que havia esquecido de ir fazer com ele o bilhete, mas estava ali para cumprir a minha promessa. Informei que estava comprando um rosário, uma imagem do Padre Cícero e um pequeno adorno da lapela. E também que iria à Igreja do Socorro, colocaria essas compras no local onde foi sepultado o corpo do Padre Cícero e faria um pedido para o amigo. Ele agradeceu e aceitou a nossa indicação.

Assim o fiz, coloquei os presentes do amigo e silenciosamente, a minha maneira, coloquei as intenções do romeiro que estava no Sertão Alagoano.

Continuei as atividades para a qual nos propomos, visitamos amigos, ganhei presentes que acredito ser tesouros e que há bastante tempo procurava. Dentre os presentes estava o livro PADRE CÍCERO – A sabedoria do Conselheiro do Sertão de autoria do professor, historiador, jornalista e escritor Daniel Walker.

Assim que retornei à Santana do Ipanema comecei a ler essa obra e para minha surpresa, encontrei um relato no texto, extraído de um livro do pai do autor que me deixou arrepiado, o qual transcrevo na íntegra:

"Zeca Marques, meu pai, em seu livro Milagres e previsões de Padre Cícero, escreveu com base em depoimento prestados por amigos:

No tempo do Padre Cícero, os comerciantes de artigos religiosos: Joaquim Mancinho, Pedro Magalhães, Dandão, Lourencinho e Beata Rita também eram proprietários de casas para hospedagem dos romeiros que chegavam a Juazeiro. Para os romeiros falarem com o Padre Cícero eram obrigados a fazer compras na loja do proprietário do rancho em que estavam hospedados.
Logo depois da morte do Padre Cícero, Joaquim Mancinho contou-me o seguinte fato: “Eu, disse ele, estava certo dia na sala de espera da casa do Padre Cícero, esperando chegar a minha vez para apresentar meus romeiros a ele, quando deu-se uma discussão entre a Beata Rita e Manoel Lucas (sócio de Lourencinho). Cada qual queria apresentar primeiro seus romeiros ao Padre Cícero. Da sala vizinha, onde o Padre Cícero recebia os visitantes, ele ouviu a discussão e levantando-se da rede aproximou-se dos dois e disse: – Vocês vão logo se acostumando porque está bem próximo de meus romeiros chegarem a Juazeiro, podendo se hospedar onde melhor achar conveniente, fazer suas compras onde bem lhes convém, me visitar a qualquer hora e eu atendo suas preces, benzo suas imagens, seus terços e rosários sem ser preciso a interferência de vocês. Disse mais: “Isso acontecerá três anos e meio depois da minha morte. “Estarei aqui em espírito e verdade para velar por esta cidade que será perseguida, mas não vencida”.
Em 20 de dezembro de 1937, decorridos 3 anos e meio de sua morte, que ocorreu em 20 de julho de 1934, os devotos do Padre Cícero observando a má vontade de alguns sacerdotes em benzer as imagens que compravam, quando entre elas estava o retrato do Padre Cícero, daí em diante, por conta própria, passaram a se dirigir à Capela do Socorro, onde o corpo do Padre Cícero está sepultado e põem em cima da lápide do túmulo, seus objetos religiosos para serem bentos, fazem suas preces e saem contentes e satisfeitos como se ele ali estivesse.” (WALKER Daniel 2009 p. 65 e 66).


Ao concluir essa leitura, parei um pouco e coloquei o meu senso crítico para funcionar, analisando todos os acontecimentos vividos, as coincidências e as vivências de tantas pessoas que se repetem ano a ano.

No hotel, à noite, passei um e-mail para uma amiga que muito estimo e que tem uma longa ligação com o Juazeiro do Norte, a antropóloga santanense, Luitgarde Oliveira Cavalcanti de Barros, que me respondeu com a seguinte mensagem: “Muito bem, dê lembranças ao Daniel Walker e reze muito na Igreja do Socorro, que o Padre Cícero nos abençoa a todos. Bendito seja quem vai ao Juazeiro. Abração, Luitgarde”

Hoje escrever essas linhas, posso assegurar com a batuta de pesquisador, que muito ainda teremos que conhecer daquela terra encravada no Vale do Cariri, mas que, na Aura do Juazeiro do Norte a presença forte do Padre Cícero e algo notável, até para os céticos.

Últimas publicações
- ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA
- AURA DO JUAZEIRO DO NORTE – TERRA DO PADRE CÍCERO
- POR QUE PONTO FACULTATIVO?
Colunistas
Antonio Machado
CENTENÁRIO DE DAVID NASSER
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
FESTIVAL VIVA DOMINGUINHOS
Fábio Campos
DIFÍCIL DE ACREDITAR, PORÉM É VERDADE!
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
ESPECIAL SEMANA SANTA - DOMINGO DE PÁSCOA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Neto
ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
O DESAFIO DE UMA VIDA SAUDÁVEL
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Três amores
Paiva Netto
Roteiro do êxito na vida
Pe. José Neto de França
EU, LIVRE A FAZER-ME
Pedro Cardoso Costa
REFORMA DA PREVIDÊNCIA: QUAL EMPREITEIRA ESTÁ BANCANDO?
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
E dois anos se passaram...

Últimas Atualizações
FESTIVAL VIVA DOMINGUINHOS
CENTENÁRIO DE DAVID NASSER
DIFÍCIL DE ACREDITAR, PORÉM É VERDADE!
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados