Santana do Ipanema - sábado, 25 de fevereiro de 2017
  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
José Malta Neto
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

11/01/2016
ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA
 
Pelas andanças em busca de um mundo melhor, trilhando pelos caminhos das letras, leituras e contações de histórias, recebi com muita alegria a indicação para ver o filme ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA, baseado na obra de mesmo nome do escritor português José Saramago, único escritor do país a receber o prêmio nobel de literatura.
Para não cometer o desatino de me arrepender depois, resolvi antes de ver o filme, ler o livro. Procurei a obra durante a VII Bienal Internacional do Livro de Alagoas, realizada o período de 20 a 29 de novembro de 2015 e não encontrei, ou a busca não foi apurada; o certo é que voltei para Santana do Ipanema com esse desejo.
Como assíduo frequentador dos sebos virtuais, pesquisei e comprei o livro editado pela Companhia das Letras, edição 2007 40ª impressão e ao iniciar a leitura achei algo estranho: o português não era o nosso. Voltei a ficha técnica do livro e encontrei a seguinte expressão: “Por desejo do autor, foi mantida a ortografia vigente em Portugal”. Isso me fez viver uma grande experiência, pois em muitos momentos tive que recorrer ao dicionário e algumas vezes o que valeu mesmo foi a interpretação lógica da frase, expressão ou parágrafo inteiro.
Para evitar interferência de opinião, escrevo essa crônica, horas após de concluir a leitura e minutos antes de assistir ao filme.
A expectativa de ler o livro que tem como gênero literário o romance foi algo que ao final deixou marcas fortes. Espera-se de um romance a descrição de tempo, lugar e personagem que envolve a trama, isso o escritor português não o fez. A história inicia num semáforo, carros aguardando a luz verde e, de repente um não larga porque o motorista ficou cego. Pronto, alguém socorre esse cidadão e o leva para casa e depois vai a um oftalmologista para o diagnóstico, que dias depois dicou denominada de cegueira branca, pois em vez de escuridão essa pessoa só tinha em sua tela visual uma nata branca. Nesse ponto três personagens começam a surgir e Saramago assim denominou: o primeiro cego, o médico e a mulher do médico.
A trama continua e acrescenta-se a ela a mulher do primeiro cego, uma jovem denominada de rapariga de óculos escuros, possivelmente amante do médico e um jovem denominado de garoto ou rapazinho estrábico. Mais tarde chega mais um, e mais uma vez sem nome, apenas com a alcunha de velho da venda preta. Depois de algum tempo aparece mais um cachorro, que por lamber as lágrimas de uma das mulheres, foi apelidado de cão das lágrimas e também fez parte na história.
Pronto! É com esses personagens o escritor cria uma bela trama envolvendo pessoas de uma cidade inteira, um país inteiro e quem sabe o mundo todo que ficaram cegas a partir do contato com aquele cidadão do semáforo, o primeiro cego, com exceção da mulher do médico, a única pessoa que não foi afetada pela epidemia; viveu, acompanhou os horrores e tornou-se protagonista da história.
São narrativas de arrepiar; Eu que adoro suspense e gosto muito de ler, tive que parar a leitura várias vezes por causa do impacto da história e o horror apresentado pelo narrador. Porém não passou pela minha cabeça abortar a leitura, pois o enredo era fascinante e o desfecho foi muito esperado.
Embora não tenha descrição de local, tempo ou personagens, pois todos os envolvidos são tratados com adjetivos na sua maioria esdrúxulos, Saramago consegue prender a atenção do leitor. Eu sentia-me na trama como um expectador anônimo, vendo a cena nos mínimos detalhes.
As vezes, mesmo diante da aspereza da condição o escritor faz descrições poéticas como “ Tirante o pó doméstico, que aproveita das ausências das famílias para docemente se pôr a embaiciar a superfície dos móveis, diga-se a propósito que essas as únicas ocasiões que ele tem para descansar, sem agitações de espanador ou de aspirador”… (p257), falando da poeira dos móveis de sua casa. Em outras descreve cenas que causam certa repugnância vejamos: “Numa praça rodeada de árvores, com uma estátua ao centro, uma matilha de cães devora um homem. Devia ter morrido à pouco tempo os membros estão rígidos, nota-se quando os cães sacodem para arrancar ao osso a carne filada pelos dentes. Um corvo saltita à procura de uma aberta para chegar-se também à pitança. A mulher do médico desviou os olhos, mas era tarde demais, o vómito subiu-lhe irresistível das entranhas duas vezes, três vezes como se o próprio corpo, ainda estivesse a ser sacudido por outros cães… (p.251).
Ler ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA é no mínio uma forma de mergulhar num universo de várias interpretações. Talvez seja necessário um aprofundamento filosófico da história. Será que a cegueira que José Saramago colocou em seu romance é mesmo dos olhos físicos. E o final da história? Claro que ão vou contar, pois desejo que vocês possam também ler a obra e tirar suas conclusões. Por ora uma pergunta ficar no ar: diante de tantas informações e um mar de desafios será que enxergamos bem as coisas?
Bem! Agora vou ver o filme.

Santana do Ipanema – AL, 10 de janeiro de 2016

Últimas publicações
- ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA
- AURA DO JUAZEIRO DO NORTE – TERRA DO PADRE CÍCERO
- POR QUE PONTO FACULTATIVO?
Colunistas
Antonio Machado
A FALA DO SOBRADO
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Coisa de pele! Imagine!
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
BICHOS, COMPANHEIROS E AMIGOS - I
Fábio Campos
VOCÊ TEM UM “BUJO”? DIZEM QUE ELE FAZ BEM PRA SAÚDE!
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
TEM "TUDO A VER" COM VOCÊ
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Neto
ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
A INVENÇÃO DOS CONFLITOS
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Três amores
Paiva Netto
Efeito social da prece
Pe. José Neto de França
DEUS, A FAMÍLIA, O LAR E O HOMEM
Pedro Cardoso Costa
MODERNIDADE NECESSÁRIA NO JUDICIÁRIO
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
E dois anos se passaram...

Últimas Atualizações
DEUS, A FAMÍLIA, O LAR E O HOMEM
VOCÊ TEM UM “BUJO”? DIZEM QUE ELE FAZ BEM PRA SAÚDE!
A FALA DO SOBRADO
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados