Santana do Ipanema - quinta, 17 de agosto de 2017
  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Djalma Carvalho
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

17/08/2017
DEFESA ARROJADA
 
Djalma de Melo Carvalho
Membro da Academia Santanense de Letras, Ciências e Artes

Reencontrar ou reencontrar-se é encontrar-se novamente. Assim, animados jovens de Santana do Ipanema resolveram, em boa hora, criar o evento social denominado Reencontro, que se realiza anualmente no mês de julho, às vésperas da Festa da Juventude e da Festa da Padroeira da cidade.
A Festa da Juventude, por exemplo, reúne jovens santanenses há mais de 50 anos. Normalmente constam de sua programação: competições esportivas, jogos diversos, shows musicais, palestras, feira de livros, baile e coroação de rainha. Realiza-se no domingo anterior às novenas da Festa da Padroeira. Esta, por sua vez, encerra-se com uma gigantesca procissão pelas ruas da cidade, no dia 26 de julho de cada ano. Ressalte-se que a tradicional Festa de Senhora Santana é considerada como o maior acontecimento social-religioso do sertão alagoano, já incluído no calendário turístico do estado.
Este ano o Reencontro chegou à 19ª edição, e reuniu, na tarde-noite de 15 de julho passado, cerca de 400 alegres santanenses de todas as idades no decorado salão de festas da AABB local. Ali também estiveram convidados especiais para assistir à chamada festa da saudade, senão, também, festa de celebração do ufanismo da terra natal.
Gente saudosa que reside fora de Santana do Ipanema, espalhada pelo Brasil afora, retorna à cidade para o caloroso abraço no ex-colega de colégio, no amigo de infância, na paquera da distante adolescência. O afetuoso abraço e o carinhoso beijo repetem-se durante a especial festa, onde se mata saudades. Curiosamente, não se esconde o cabelo chuviscado de branco de muitos, marcados pelos anos que se passaram, a compor o cenário do ambiente festivo. Ao som de música para todos os gostos, aí se inclui, necessariamente, a canção-hino “Santana dos Meus Amores”, de autoria do poeta Remi Bastos, que todos entoam, entusiasticamente, como significativa expressão do contagiante sentimento nostálgico do chão nativo.
Este ano a comissão organizadora caprichou na produção do Reencontro, recebendo do público elogiosos comentários. Três bandas, bebidas, petiscos à vontade, camisetas e muita alegria.
Nesse clima de confraternização de santanenses, tive a oportunidade de abraçar José Pinto de Assis (Josa), conterrâneo amigo, empresário bem-sucedido e desportista do passado, hoje chegando à casa dos oitenta anos de idade, firme e forte. Por ter sido ele desportista, lembrei-me do seu tempo de goleiro do Ipanema Atlético Clube, time de futebol da cidade, tricampeão do interior alagoano no período 1957/1958/1959.
Época de talentosos atletas, estrelas mesmo, que integravam a equipe campeã, como Chiquinho, Tide, Tina, Geraldo Belo, Joãozinho, Lau, Zezinho, Artur Lima, João Carlos, Maleiro, Zuza, Jair, Gordinho, Índio, Zé Galego, entre outros.
Corajoso goleiro, de arrojadas defesas, jovem de muita saúde, um metro e oitenta de altura, Josa devia pesar, naqueles bons tempos, mais de cem quilos.
Pois Bem. Tudo aconteceu num jogo do campeonato interiorano. Numa bola bem disputada, lançada, perigosamente, sobre a área do Ipanema, Josa, em salto magistral, defendeu-a no ar, mas desabou, com todo o seu pesado corpo, sobre o franzino zagueiro do seu time.
Coitado, ainda no chão, parecendo esmagado, ouviu-se o grito de desespero do zagueiro Lau: “Que é isso?! Sou eu, Josa!” E jogo prosseguiu.

Maceió, agosto de 2017.







Últimas publicações
- DEFESA ARROJADA
- DÍVIDA ATUALIZADA
- A FANFARRA DO DIRETOR
Colunistas
Antonio Machado
79 ANOS DO FINAL DO CANGAÇO
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
DEFESA ARROJADA
Fábio Campos
“HAND SPINNER”: VOCÊ PERTENCE A ESSA GERAÇÃO?
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
ESPECIAL SEMANA SANTA - DOMINGO DE PÁSCOA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Neto
FRANCISCO JOSÉ, 40 ANOS NO AR
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
DETALHES
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Três amores
Paiva Netto
Jesus, o Mestre do ensino, no ensino, como Mestre
Pe. José Neto de França
“É MAIS FÁCIL ‘TANGER’ BOI DO QUE ‘TANGER’ GENTE”
Pedro Cardoso Costa
ABRAÇO DE AFOGADOS
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
TAMBORIM

Últimas Atualizações
DEFESA ARROJADA
Jesus, o Mestre do ensino, no ensino, como Mestre
“HAND SPINNER”: VOCÊ PERTENCE A ESSA GERAÇÃO?
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados