Santana do Ipanema - domingo, 30 de abril de 2017
  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Carlito Lima
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

14/08/2011
A Casa de Alagoas
 
LEILA DINIZ, A RAINHA DA BANDA DE IPANEMA

Foi num bonito verão final dos anos 60. Aproveitei uma viagem dos Bentes, filhos do Benedito. Peguei carona, fui de carro para o Rio de Janeiro. Não houve planejamento de roteiro, parávamos onde bem entendíamos e dormíamos no primeiro hotel quando Luciano se cansava na direção.
No interior da Bahia pernoitamos no Hotel Familiar. Os preços das diárias fixados em um quadro negro: “QUARTO COM PINICO: CR$ 5,00”. “QUARTO SEM PINICO: C$ 4,00”. Perdi a preciosa fotografia dessa pérola brasileira.
No Rio ficamos no apartament do Cáo, Rua Paissandu no Flamengo, espécie de embaixada alagoana. Sempre havia uma cama ou um colchão para um amigo.
Naquela época funcionava a Casa de Alagoas, associação que dava assistência à colônia alagoana radicada no Rio de Janeiro. Era ponto de encontro, matar saudades, unir a tribo caeté.
Roberto Mendes, o presidente da associação havia ganhado uma eleição disputadíssima contra Ronaldo Lessa, nos esperava extensa programação.
No sábado estava marcado um pré-carnavalesco: baile “Vermelho e Preto” no Clube de Regatas Flamengo.
Na Rua Paissandu iniciava a preparação etílica. As meninas iam se achegando, começavam as paqueras. Todos vestidos com camisas rubros- negras, inclusive os tricolores e vascaínos. Partimos para a sede do Flamengo.
Roberto Mendes organizou a noitada. Os ingressos foram comprados antecipadamente. Na hora da entrada faltou ingresso para o Bob, um carioca que morou em Alagoas, se sente alagoano. Ficamos matutando como resolver o problema da entrada do Bob, de repente Roberto Mendes avistou um caminhão entrando pelo portão lateral, gritou, “Venha cá Bob!”. Confabularam com o motorista, colocaram Bob por trás do caminhão frigorífico, cheio de gelo da festa.
O baile fervia animado. Depois de algumas voltas encontramos Bob no bar tomando conhaque puro. Estava molhado, batia o queixo. Vinte minutos dentro do frigorífico do caminhão; quase morre congelado. Sambamos até o dia amanhecer com charmosas rubro-negras.
No domingo pela manhã, novo encontro na Praça General Osório. Maior expectativa em desfilar na Banda de Ipanema. Roberto havia providenciado uma ala dos alagoanos. Nossa fantasia: sunga de banho de mar, tamanquinho de praia e uma toalha em volta do pescoço para abastecer de lança-perfume.
Nesse trajes começamos esquentar as baterias num bar perto da praça. O bar lotado, nossa mesa das mais concorridas, meninas bonitas, namoradas, paqueras. Era só alegria, felicidade, chope e carnaval.
Em certo momento Bob sentiu fortes cólicas, talvez conseqüência da friagem do frigorífico, foi se esvair no acanhado e sujo banheiro. Depois dos serviços, depois de ter obrado, voltou à mesa. Pagamos a conta, levantamos, na partida, pela primeira vez alguém reclamou:
“Êita fedor de merda! Alguém pisou em bosta!”
Olhamos nos solados dos tamancos, nenhum vestígio de cocô. Nessa altura havia uma multidão na Praça General Osório. A Banda animada tocava o samba:
“Nesse carnaval não quero mais saber... de brigar com você... vamos brincar juntinhos... água na boca para quem ficar sozinho... as nossas brigas... não podem continuar... por que nosso amor não pode se acabar...”
Nosso grupo animado, ala cheia de gente bonita, contrastava o cheiro de merda no ar. Até que a fonte fedorenta foi descoberta, era o Bob. Na hora do serviço, parte do tolete lançado no sanitário caiu na sunga. Ele, sem sentir, vestiu-a novamente. Infestou-se de cocô.
A Banda de Ipanema acabou à noite. Programamos terminar a farra no Alkasar, Copacabana. Enfrentamos um ônibus lotado, éramos mais de 20 pessoas em pé, se acotovelando. A certa altura um passageiro gritou:
-“Motorista pare! Alguém cagou dentro do ônibus!”
Resumo da ópera, fomos presos na Delegacia em solidariedade a Bob, o cagão. O delegado só nos soltou depois de Bob tomar um banho com sabugo, dado pelos soldados de plantão.
Terminamos a noite às gargalhadas no Alkasar, relembrando as façanhas da juventude bonita, solidária e cagona. Assim era a Casa de Alagoas nos tempos dos anos dourados.


Últimas publicações
- SOCORRINHO
- ESSA NEGRA FULÔ
- A Casa de Alagoas
Colunistas
Antonio Machado
CENTENÁRIO DE DAVID NASSER
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
FESTIVAL VIVA DOMINGUINHOS
Fábio Campos
DIFÍCIL DE ACREDITAR, PORÉM É VERDADE!
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
ESPECIAL SEMANA SANTA - DOMINGO DE PÁSCOA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Neto
ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
O DESAFIO DE UMA VIDA SAUDÁVEL
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Três amores
Paiva Netto
Roteiro do êxito na vida
Pe. José Neto de França
EU, LIVRE A FAZER-ME
Pedro Cardoso Costa
REFORMA DA PREVIDÊNCIA: QUAL EMPREITEIRA ESTÁ BANCANDO?
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
E dois anos se passaram...

Últimas Atualizações
FESTIVAL VIVA DOMINGUINHOS
CENTENÁRIO DE DAVID NASSER
DIFÍCIL DE ACREDITAR, PORÉM É VERDADE!
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados