Santana do Ipanema - domingo, 30 de abril de 2017
  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Antonio Machado
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

28/03/2017
SAGA DO CANGAÇO PRECISA SER RECONTADA
 
Não sou biógrafo e nem pretendo sê-lo, do famigerado bandoleiro, Virgulino Ferreira da Silva, Lampião, morto na chacina de 28 de julho de 1938, em Angico, município de Poço Redondo, estado de Sergipe, juntamente com mais 10 cangaceiros, e 01 soldado da força alagoana, Adrião, mas os escritores que escrevem sobre a figura controvertida de Lampião muitos esquecem pontos importantes da tragédia que permeou os sertões nordestinos de 1920 a 1938, mormente o tripé Alagoas, Sergipe e Pernambuco, dentre tantos escritores do assunto citamos Bezerra e Silva, Optato Gueiros, Tenente João Bezerra, que escreveu Como dei cabo a Lampião, obra que tem servido de lume para muitas outras, Aglae de Oliveira Lima, Frederico Pernambucano de Melo, Pe. Frederico Bezerra Maciel, Clerisvaldo B. Chagas e Marcelo Fausto, todos eles focando o mesmo tema, com sua visão de pesquisadores e historiadores, que tem servido de subsídios para a história do cangaço. Muitos desses escritores contam a história dentro de uma sociologia mais amena, defendendo o bandoleiro numa história moderna, reescrevendo uma nova saga do cangaço, dizendo que Lampião foi fruto do meio.
O homem carrega sempre em si as lembranças de seu passado, contudo não é esse passado que modula o homem, haja vista Lampião não descende de família de cangaceiros, pois seus pais eram pessoas pacatas, porém o roubo de gado entre as famílias no vale do Pajeú, já era uma praxe gerando essas atitudes, rixas e malquerenças entre as famílias visinhas, fazendo acender no facínora seu ingresso no cangaço, onde fez sua carreira no banditismo, embrenhando-se sertão adentro até seu trucidamento no fatídico 28 de julho de 1938, em Angico, estado de Sergipe. A historiografia do cangaço está eivada de fatos, ora ocorridos de fatos, ora fantasiosos. Na chacina de Angico os historiadores narram os ocorridos onde muitos são unanimes em registrarem o número de 11 mortos, sendo Lampião, Maria Bonita, Quinta-feira, Mergulhão, Enedina, Luíz Pedro, Elétrico, Moeda, Alecrim, Colchete e Marcela, cujos nomes ostentam numa cruz sem graça em cima de uma pedra no local da tragédia.
O pesquisador Antônio Vilela de Souza, lançou em 2012 um livro biográfico focando a vida pregressa do soldado Adrião Pedro de Souza (1915-1938), nessa chacina o nome desse herói para muitos ficou no anonimato, essa obra de Antônio Vilela de Souza intitulada (A outra face do cangaço, vida e morte de um praça) onde o famoso pesquisador busca nos interstícios da história com muito ênfase a figura do soldado Adrião, que também foi morto na chacina, e seu nome sequer, consta na lista dos trucidados, sendo está história passível de ser recontada dando àquele soldado, o seu valor devido, pois morreu no massacre que vitimou o temível cangaceiro Lampião. Portanto, naquele 28 de julho de 1938, morreram 12 pessoas e não 11, como diz a maioria dos pesquisadores do cangaço, que quando falam nele dizem apenas um soldado, e silenciam sobre a vida desse bravo policial, daí a necessidade de se recontar essa saga que enxovalhou o nordeste. Escreveu Francis Bacon (1561-1626): “a verdade é filha do tempo, não da autoridade”.


Últimas publicações
- CENTENÁRIO DE DAVID NASSER
- PAIXÃO DE JESUS
- LEONARDO MOTA, EMBAIXADOR DOS SERTÕES
Colunistas
Antonio Machado
CENTENÁRIO DE DAVID NASSER
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
FESTIVAL VIVA DOMINGUINHOS
Fábio Campos
DIFÍCIL DE ACREDITAR, PORÉM É VERDADE!
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
ESPECIAL SEMANA SANTA - DOMINGO DE PÁSCOA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Neto
ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
O DESAFIO DE UMA VIDA SAUDÁVEL
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Três amores
Paiva Netto
Roteiro do êxito na vida
Pe. José Neto de França
EU, LIVRE A FAZER-ME
Pedro Cardoso Costa
REFORMA DA PREVIDÊNCIA: QUAL EMPREITEIRA ESTÁ BANCANDO?
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
E dois anos se passaram...

Últimas Atualizações
FESTIVAL VIVA DOMINGUINHOS
CENTENÁRIO DE DAVID NASSER
DIFÍCIL DE ACREDITAR, PORÉM É VERDADE!
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados